Postado por: Bruno Oliveira sexta-feira, 4 de julho de 2014

Dependendo da edição ou da editora, a capa de um livro pode ser mudada. Talvez apenas o título seja mudado para a nova língua, talvez haja realmente uma nova arte que modifique tudo. Depende de como cada editora quer manter o livro. E é isso que vou mostrar aqui, a diferença das capas segundo seus países. Talvez tenham mais capas, mas essas foram as que eu encontrei. O Diversas Capas de hoje, traz, o terceiro livro da nossa coluna Brasilivros {Se não conhece nosso projeto, clique ao lado}. O Cortiço, escrito por Aluísio Azevedo, Brasil. Vejam as capas e também revejam a resenha. {Link da Resenha}

Por ser um clássico da língua portuguesa, há muitas (realmente MUITAS) capas diferentes, algumas vezes uma mesma editora lança o livro em várias versões diferentes buscando atingir diferentes públicos, lançam novas edições ou até edições comemorativas. Como o espaço do blog não é infinito, selecionei apenas algumas e separei-as em três grupos: as que eu achei mais bem ilustradas, e na minha concepção as melhores, as mais tradicionais e mais conhecidas, como também as mais simples, ostentando na maioria dos casos apenas o título da obra e o nome do autor.



Dentre estas melhores capas, destaco a primeira que dá um foco maior a João Romão como o titereiro (ou mestre de marionetes) do cortiço, como aquele que manda e desmanda no local. A segunda dá um foco maior para o cortiço como personagem principal, como de fato ocorre com a narrativa de Aluísio. No terceiro o foco é as relações carnais que possui o livro (que por sinal são vários) o que torna o livro pouco aconselhável para menores (o que entra em contradição com o fato de que este é um livro comum para vestibulando que são em sua maioria menores de idade). No quarto há o melhor jogo de cores dentro todas as capas que eu vi, e por isso merece estar nesse hall!


Há também as capas mas usuais e tradicionais atualmente. É comum ver uma dessas capas com alguém que vai prestar vestibular este ano ou em boa parte das livrarias. Pelas capas, é possível ver o maior foco na relação amorosa e carnal dos personagens e talvez por isso sejam as mais comuns (sexo no Brasil dá muita audiência e dinheiro).


Essas capas fazem valer o ditado "Não se pode julgar um livro pela capa". Não são capas muito chamativas mas possuem seu valor. É muito comum encontrar este tipo de capa com professores universitários ou estudantes de letras, uma editora, ao usar uma capa mais direta, menos simbólica e com poucas cores, esta sinalizando ao leitor que o conteúdo do livro é sua parte mais importante. Não raramente, as edições do texto sob essas capas costumam ser versões mais antigas, mais rebuscadas e menos simplificadas, mantendo o máximo possível sua fidelidade com a obra original do autor.

O livro é famoso principalmente em português, mas não tanto em outras línguas e isso é evidenciado pela quantidade de edições que teve os livros na língua portuguesa e quase nenhum em inglês (eu pelo menos não achei). E vocês, o que acharam? Já leram alguma outra coisa do Aluísio Azevedo? Expressem-se nos comentários!

{ 1 comentários... leia-os abaixo e comente também! }

  1. Oi :)

    Eu já li O Cortiço e gostei muito. Realmente são inúmeras capas, a edição que eu li não está aí. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

- Copyright © Mas que livro! - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -